Quem controla seus desejos controla você

Edward Norton Fight Club

 
Quem é o seu senhor? Quem manda em você? Quem te controla?

Simples, aquele que controla os seus desejos.

Essa ideia básica, mas muito poderosa, é do filósofo grego Epicteto, estóico que devotou a vida a descobrir como viver de forma plena e feliz. E para isso, seria essencial ser o senhor de seus próprios desejos.

Vivemos em um mundo que se mostra incansável em nos impor desejos. E não pense que são apenas instituições como o governo e as grandes corporações. Todos estão tentando te empurrar desejos goela abaixo. Sua família, seus amigos e colegas, seu namorado(a), sua religião etc.

Time Square

Será que você realmente deseja o emprego do seu chefe? Será que você realmente precisa morar naquele apartamento gigante? Será que você é anormal por não querer casar e ter filhos?

É importante refletir sobre quais desejos são realmente seus e separá-los dos que foram implantados, a la Inception, na sua cabeça.

Vamos começar com a Dialética do Senhor e do Escravo, as dicas de Alan Watts para descobrir o que você realmente deseja e terminar com a ideia de “detox de desejos”.

 

A Dialética do Senhor e do Escravo

O filósofo alemão Hegel propôs uma reflexão acerca das relações de dominância. Resumindo de forma grosseira, ele afirma que para que exista um Senhor, é necessário que exista também um Escravo, que reconheça explicitamente a sua condição de dominância.

Ou seja, só é possível definir a nossa condição existencial a partir do reconhecimento de alguma consciência exterior (o outro) que valide e suporte nossa própria consciência interior.

Sem o reconhecimento ou aceitação do Escravo, o pretenso Senhor não teria poder.

O Escravo, nessa proposição, ao ser confrontado com a pretensão de um suposto Senhor, possuiria duas opções: lutar até a morte por garantir para si mesmo a condição de Senhor, ou se reconhecer como dominado e aceitar as imposições do outro.

O modelo proposto por Hegel pode ser usado para ilustrar diversas situações em que estejam envolvidas disputas de poder. Mas também na batalha da nossa própria consciência e na construção de nossa identidade.

Você provavelmente já deve ter percebido onde estou querendo chegar: se você aceita um desejo que lhe é imposto por outra fonte que não você mesmo, está reconhecendo a sua condição de Escravo.

 

E o que você deseja?

É importante deixar claro que a ideia aqui não é deixar de desejar coisas e levar uma vida frugal, sem bens materiais. O foco é fazer esse exercício constante de reflexão sobre o que realmente é importante para você. Não existe reposta certa, cada pessoa deve se dedicar a encontrar sua própria resposta.

Amor? Felicidade? Construir uma família? Experiências únicas? Um trabalho que te satisfaça?

Mas não é tão fácil, principalmente porque sentimos que existem coisas que são esperadas da gente. A vida não é simplesmente uma busca pelo que te faz feliz. Existem responsabilidades e compromissos que precisamos equilibrar no dia a dia.

Mas de qualquer forma dá pra começar a pensar no assunto.

Para descobrir o que você realmente deseja, a dica de Alan Watts, em seu discurso “What do you desire?”, é se perguntar: o que eu gostaria de fazer se o dinheiro não fosse uma questão?

Alan-Watts-What-would-you-do-if-money-was-no-object

Alan Watts: What do you desire? – Versão em quadrinhos do Zen Pencils

 

A vida é uma máquina de pegar ursinhos

Imagine que a vida é uma daquelas máquinas de pegar ursinhos de pelúcia com uma garra mecânica. Agora imagine que essa máquina começa com poucos bichinhos, que seriam os seus próprios desejos.

maquina de pegar ursinhos

Aquele seu sonho de criança de ser cientista ou astronauta, por exemplo.

Mesmo com a máquina vazia, ainda é difícil pra cacete “pegar” seus desejos iniciais, certo? Poderíamos ficar o dia todo tentando.

Agora imagina que ao longo desse dia, várias pessoas diferentes jogam novos bichinhos em cima daqueles que você tava tentando pegar. E eles são coloridos, divertidos e atraentes. Você acaba mudando de ideia e achando melhor dedicar todo seu esforço a tentar pegar esses novos “bichinhos”. Eles te distraem do seu objetivo inicial.

E o pior: você pode passar um bom tempo tentando e ainda assim não conseguir pegar nada. Enquanto isso, seus desejos originais continuam lá no fundo, obliterados pelos desejos colocados por outras pessoas.

Ok, mas como fazer para continuar perseguindo os próprios desejos?

 

Detox existencial

Não é fácil, é um exercício diário. É chegar em casa ao final do dia e jogar fora todo o lixo que você acumulou. Todos os desejos que tentaram empurrar para você, tudo que você acabou levando consigo.

É de tempos em tempos sair do automático e se perguntar: quem eu sou de verdade? O que é realmente importante pra mim?

Se você não fizer isso, vai continuar buscando realizar desejos que outras pessoas tentaram impor pra você. E um spoiler alert: se você não conseguir realizar esses desejos, vai ficar frustado. E se conseguir, depois de um curto tempo experimentando algo parecido com felicidade, vai procurar outro desejo pra perseguir. Afinal, sua satisfação pessoal não estava realmente ali.

A ideia é tentar se desgrudar desses carrapatos que são os desejos dos outros.

“Drink from the well of yourself and begin again.” – Charles Bukowski

 

Post muito longo, não li nada:

Quem controla seus desejos, controla você. Liberdade é ser quem define seus próprios objetivos.

Para descobrir quais seus próprios desejos, pense: quando eu era criança, o que queria ser quando crescesse? Ou, o que eu faria se o dinheiro não fosse uma questão?

Tente um detox diário. Sempre que desejar algo, pare e pense: sou eu mesmo que quero isso?

 

Inspiração:

 

About Marcos Malagris 9 Articles

Publicitário, professor de inteligência de mídias sociais e estudante de psicologia. Quando não está questionando verdades sobre a vida, o universo e tudo mais, joga videogame e toca ukulele.

6 Comments on Quem controla seus desejos controla você

  1. adoro esse tema. na coca tem um curso só para mulheres sobre buscarmos nosso proposito, super reflexivo. la eles facilitam dividindo entre “intrinseco” o q ta dentro de vc e “extrinseco” o q é imposto/sugerido. dificil demais enxergar algumas nuances. exercicio diario mesmo

    • Legal! Pois é… até mesmo quando você se considera super bem resolvido com o que deseja na vida, se você relaxa um segundo, pam! Conseguem entrar na sua cabeça e colocar algo lá que você nunca desejou. E você fica frustrado de não conseguir aquilo.

      Por isso gosto muito da frase “Drink from the well of yourself and begin again.” =)

    • Boa questão. Alguns dizem que o sentido da vida está na busca em si, né.

      Geralmente assim que conseguimos algo, após um curto período de adaptação, já pensamos na próxima coisa que vamos buscar. Tá na nossa natureza, deve ter alguma vantagem evolutiva. rs

  2. Muito legal, Marcos! Essa análise constante sobre buscar o que a gente quer de verdade cansa muito. Mas, o que a gente recebe de volta é um auto conhecimento incrível. Que motiva pra ação… A ação torna todo o processo ainda mais exaustivo. E isso nunca deve parar! 🙂 Tem um texto que gosto muito e volta e meia releio, acho que tem tudo a ver com o que você colocou: http://papodehomem.com.br/ritual-de-fim-de-ano-conferir-se-nao-sou-um-monolito/

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*